leucoptera coffeella
Larva-minadora / Leucoptera coffeella

Ovo: Os ovos são achatados, brancos, brilhantes e com dimensões 0,30mm de comprimento e 0,25 de mm de largura. A postura é realizada na página superior das folhas, com média de 7 ovos por noite. Por não colocar mais que um ovo no mesmo local, diversos pontos de uma mesma folha são visitados pela fêmea, que chega a colocar até 60 ovos durante a sua vida.

Lagarta: Penetram diretamente no mesófilo foliar, ficando entre as duas epidermes, o que causa a destruição do parênquima. As áreas atacadas vão secando e aumentando de acordo com o desenvolvimento da lagarta. As partes secas são facilmente destacáveis, e comumente se encontra um grande número de lagartas numa única folha. O período larval oscila entre 9 e 40 dias, e ao terminar este período, as lagartas abandonam o interior das folhas tecendo um fio de seda até a “saia” do cafeeiro, onde farão um casulo característico em forma de X.

Pupa: Nesse casulo em forma de X ocorre a transformação em pupa, estágio com duração de 5 a 26 dias.

Adulto: Mariposa pequena, com cerca de 6,5 mm de envergadura e asas brancas na parte dorsal. Aloja-se durante o dia na parte inferior das folhas, iniciando suas atividades ao anoitecer. A longevidade média das novas mariposas é de 15 dias. O ciclo evolutivo varia de 19 a 87 dias, dependendo da temperatura. O número de gerações anuais é variável de 8 a 12.

Danos e Prejuízos

O bicho-mineiro-do-café reduz a capacidade fotossintética da planta pela destruição e queda das folhas. Os sintomas são mais visíveis na parte alta da planta, onde há grande desfolhamento, quando o ataque é intenso. As folhas apresentam áreas secas, de coloração marromavermelhada, originadas de galerias no parênquima. Em cafeeiros conduzidos com maiores espaçamentos há tendência de maior infestação da praga e os maiores prejuízos são observados quando o ataque ocorre no período chuvoso.