pectinophora gossypiella
lagarta rosada / Pectinophora gossypiella

Ovo: A postura é feita entre as brácteas e as maçãs. Os ovos têm coloração branco-esverdeada, de preferência nas maçãs jovens, sendo colocados isoladamente ou em grupos de 5 a 100. A eclosão verifica-se em 3 a 12 dias, de acordo com as condições do ambiente.

Lagarta: As larvas são, no início, brancas com a cabeça escura. Perfuram as maçãs do algodão e, nelas penetrando, atingem as sementes, onde, após a última ecdise, apresentam coloração róseo-amarelada e atingem cerca de 12 mm de comprimento. O período larval é de 20 dias, mas pode ser prolongado em muitos meses, quando a lagarta entra em diapausa.

Pupa: Terminada a fase larval, as lagartas que estiverem nos capulhos não abertos fazem orifícios nestes e, saindo, transformam-se em pupas em qualquer lugar da planta ou no solo. As que permanecem no interior de maçãs, após abrirem o orifício, tecem casulos nas galerias que escavaram nas sementes e transformam-se em pupas. Após 10 dias emergem os adultos.

Adulto: É uma mariposa de 15 a 19 mm de envergadura e apresentam as asas posteriores bronzeadas. A fêmea possui hábitos noturnos, quando sai para o acasalamento. Os adultos apresentam alta mobilidade, o que possibilita a sua movimentação e disseminação em campos de decrescente fase fenológica.

Danos e Prejuízos

Os primeiros prejuízos ocorrem nos botões florais, pois as lagartas impedem a abertura das pétalas, que tomam o aspecto de uma “roseta”, não havendo formação de maçã. Quando atacam as maçãs do algodão, podem destruir total ou parcialmente tanto as fibras quanto às sementes. Conseqüentemente, a qualidade e a quantidade de óleo da semente, são afetadas. Um tipo de sintoma bem característico resultante do ataque da lagarta-rosada é o “carimã”, que é uma maçã defeituosa que não se abre normalmente.

Devido à penetração da larva na maçã, o controle é dificultado pois fica fora do alcance de predadores e agentes químicos. Quebras de produção e qualidade de fibra podem chegar a 30-40%