ecdytolopha arurantiana
bicho furão / Ecdytolopha aurantiana

Ovo: A postura é efetuada nos frutos, sendo 1 ovo/fruto. A postura é crepuscular (150 ovos/fêmea).

Lagarta: Após alguns dias nascem as lagartas, que atacam tanto as frutas maduras (preferência) como as verdes (quando as populações são altas), praticando galerias internas e alimentando-se da polpa. Completamente desenvolvida a lagarta mede cerca de 18 mm de comprimento.

Pupa: Para transformar-se em pupa, ela abandona o fruto, penetrando no solo, mas podem transformar-se em pupa no próprio fruto ou na planta. A pupa é marrom e mede cerca de 10 mm de comprimento.

Adulto: O adulto é uma pequena mariposa com 17 mm de envergadura, de coloração marrom-escura, sendo as asas posteriores mais claras do que as anteriores, mimetizandose com ramos. O ciclo do bicho-furão varia de 32 a 60 dias e em São Paulo há de 7 a 6 gerações por ano. O acasalamento ocorre nas partes altas da planta, o que pode facilitar sua amostragem e controle.

Danos e Prejuízos

Essa praga aumentou sua importância nos últimos anos em São Paulo, provavelmente devido à aplicação inadequada de produtos químicos que levaram a desequilíbrios biológicos.

O bicho-furão ataca mais intensamente entre os meses de novembro e março, iniciando-se tal ataque próximo a matas.

Embora tenha preferência por frutos maduros, em altas populações atacam também frutos verdes. O ataque provoca a perda total do fruto, que cai e apodrece.

Para diferenciar o ataque do bicho-furão do de moscas-dasfrutas é necessário observar os excrementos e restos de alimentação que são lançados para fora da casca pelo bichofurão. Esses excrementos endurecem e ficam visíveis, grudados ao local de penetração, na casca. O local de ataque fica endurecido, diferenciando-se do ataque de moscas-dasfrutas, cujo local de ataque fica mole e se apertado o fruto, dele sairá um líquido.